Wednesday, October 03, 2007

ACERCA DO “FIM”



Iniciei há uns meses o trabalho de escrita de “posfácios” a diversos livros. O projecto, que nasceu num enquadramento académico, cedo foi contaminado por regras pessoais passando a obedecer a um princípio orientador menos estável. De um pequeno conjunto de livros sobre design, em relação aos quais deveria redigir um “posfácio” de cerca de 5 páginas, parti para uma diversificada escolha de livros (da poesia ao conto) a posfaciar e daí para a escrita de posfácios a livros imaginários. Saber colocar um fim é importante.

Que tudo se nos apresenta de certa forma inconcluso, parece-me evidente. O fim é sempre uma marca provisória que nós facilmente podemos apagar ou transformar.

Um livro, um filme, mesmo um edifício só aparentemente estão terminados. A tarefa do leitor, do espectador, do habitante é, precisamente, a de prolongar a obra. A interpretação é, de facto, tarefa de rescrita, tal como a memória. E neste sentido, o esquecimento será a sua temporária conclusão até ao momento em que os fantasmas adormecidos da obra nos invocam ou são por nós invocados.

O fim de uma obra é importante e devemos saber que o “Fim” não é o Fim.








1 comment:

Sr. Funesto said...

Estes "the end" poderiam realmente ser o princípio de muitas histórias.

Bonito post.

ARQUIVO

PERFIL

REACTOR é um blogue sobre cultura do design de José Bártolo (CV). Facebook. e-mail: reactor.blog@gmail.com